terça-feira, março 03, 2009

Letras de Canções

Sempre prestei especial atenção às letras de canções.
Se a música é a roupagem voluptuosa e sensual que seduz, a letra, corpo vestido, não pode senão ter silhueta concordante e capaz de a envergar com elegância. Tem de lhe fazer jus em harmonia nos movimentos graciosos.
Agora, depois de um período de séria dedicação à escrita de letras de canções (Escrever Escrever, recomenda-se!), percebi melhor ainda este meu interesse, esta minha paixão pelas palavras musicadas. Percebi também quão grande é o Mestre Sérgio na mestria das frases para cantar, repletas de musicalidade e sentido.
Esta é a letra que mais venero. A letra que eu própria gostaria de ter escrito.
A letra que um dia gostaria que me cantasses. E sei que vais cantar.

Espalhem a notícia
do mistério da delícia
desse ventre
Espalhem a notícia do que é quente
e se parece
com o que é firme e com o que é vago
esse ventre que eu afago
que eu bebia de um só trago
se pudesse

Divulguem o encanto
o ventre de que canto
que hoje toco
a pele onde à tardinha desemboco
tão cansado
esse ventre vagabundo
que foi rente e foi fecundo
que eu bebia até ao fundo
saciado

Eu fui ao fim do mundo
eu vou ao fundo de mim
vou ao fundo do mar
vou ao fundo do mar
no corpo de uma mulher
vou ao fundo do mar
no corpo de uma mulher

A terra tremeu ontem
não mais do que anteontem
pressenti-o
O ventre de que falo como um rio
transbordou
e o tremor que anunciava
era fogo e era lava
era a terra que abalava
no que sou

Depois de entre os escombros
ergueram-se dois ombros
num murmúrio
e o sol, como é costume, foi um augúrio
de bonança
sãos e salvos, felizmente
e como o riso vem ao ventre
assim veio de repente
uma criança

Eu fui ao fim do mundo
eu vou ao fundo de mim
vou ao fundo do mar
vou ao fundo do mar
no corpo de uma mulher
vou ao fundo do mar
no corpo de uma mulher

Falei-vos desse ventre
quem quiser que acrescente
da sua lavra
que a bom entendedor meia palavra
basta, é só
adivinhar o que há mais
os segredos dos locais
que no fundo são iguais
em todos nós

Eu fui ao fim do mundo
eu vou ao fundo do mim
vou ao fundo do mar
vou ao fundo do mar
no corpo de uma mulher
vou ao fundo do mar
no corpo de uma mulher bonita...


1 comentário:

pensamentosmistos disse...

Como te referi no outro dia, realmente nem sempre nos apercebemos do peso e do conteúdo das letras musicais, espero que continues nessa saga da escrita musical.