terça-feira, setembro 12, 2006

A ti


«Conhecer alguém aqui e ali que pensa e sente como nós, e que embora distante, está perto em espírito, eis o que faz da Terra um jardim habitado.»
(Goethe)

Olho-te e percebo a oculta tristeza
Olhas-me e encontras um espelho


Urge disfarçar, com destreza,
(Aquela que sempre revelaste)
O mergulho na incerteza
Que em breves momentos mostraste
E eu percebi
Porque te conheço
E a ti não esqueço
Nem tudo o que comigo experienciaste

Quero que saibas da culpa no meu imo
Da sensação de que não estimo
A tua entrega e disponibilidade
A tua genuína amizade

Quero que saibas ainda assim
Que essa culpa não me é clara
Nasce desta sensação rara
Do misto de insegurança e ânsia
Que dá fruto a esta distância
Que muito quero encurtar
Pois sei que muito há para dar

Tudo aquilo que foi o nosso mundo
E que parece dissipado num segundo
Não pode ter desaparecido
Estará somente em parte incerta
Num qualquer abrigo de porta aberta

O que de ti sei
E por ti sinto
Ficou
E está guardado na caixa dos pertences preciosos
Aos quais me agarro nos instantes penosos


Quero ser capaz do passo
No reencontro do teu quente e fraternal abraço
Ou então, pega nas tuas asas e voa
E pousa aqui, no meu peito, para que não doa.

8 comentários:

Arpedro disse...

Fiquei a pensar...

sandra disse...

Há coisas que não consigo dizer, por isso as escrevo...é talvez uma terrível covardia e contradição, porque me julgo frontal... ou não... :)baahh
É a tal história que não se explica, uma qualquer espécie de esquizofrenia..nada grave, espero.beijo grande

Arpedro disse...

Eu, que considero ter uma grande capacidade para ler nas entrelinhas, continuo completamente à nora. Por um lado, parece-me que esta história me é familiar, por outro está tão vaga...
Se for o caso, acabará por se clarificar...

Lua Obscura disse...

História familiar????
Deixaram-me de fora outra vez???

Lua Obscura disse...

Sim, ok...

Fiquei à nora, confesso,
e por isso te peço,
ilumina a minha mente,
antes que fique dormente.
Porque o meu problema,
é ver muito cinema,
e por tanto sonhar,
nem consigo rimar...

Lua Obscura disse...

Mas mais te digo,
digo, digo e redigo,
que na minha desconfiança,
encontro uma esperança,
de saber ler um bocadinho,
dentro desse coraçãozinho.

Oh, meu querido São João,
manda lá o balão,
e acaba com esta rima,
antes que me caia em cima.

Anónimo disse...

alguem falou em s. joão? eu posso enviar o balão! :) gostei da citação do goethe ;)

d. disse...

a anónima era eu! Quando comento através do telemóvel acontecem sempre estas coisas....